Bernardinho

Bernardo Rocha de Rezende, conhecido como Bernardinho, é o maior campeão da história do voleibol, acumulando mais de 30 títulos importantes em vinte anos de carreira dirigindo as seleções brasileiras feminina e masculina. Desde 2001, é o técnico da seleção brasileira de voleibol masculino.
 
Como jogador, atuou de 1979 a 1986, defendendo times do Rio de Janeiro. Em 1988, parou de jogar, começando a carreira de treinador como assistente-técnico de Bebeto de Freitas, nas Olimpíadas de Seul. Dois anos depois, treinou a equipe feminina do Peruggia, na Itália, onde ficou até 1992. No ano seguinte, dirigiu a equipe masculina do Modena. Em seguida, Bernardinho retornou ao Brasil e, em 1994, assumiu o comando da seleção feminina brasileira adulta até 2000.
 
Inovador, competente e muito dedicado, Bernardinho já soma vários títulos internacionais comandando as seleções feminina e masculina.
 
Desde que assumiu a Seleção Brasileira Masculina de Vôlei venceu mais de 20 títulos, dentre os quais vale ressaltar o octacampeonato da Liga Mundial, o tricampeonato Mundial de Vôlei (2002, 2006 e 2010), a medalha de ouro na Olimpíada de Atenas 2004, a prata em Pequim 2008 e Londres 2012.
 
Além disso, conquistou com a Seleção Feminina a medalha de bronze na Olimpíada de Atlanta (1996) e Sydney (2000).
 
Tais feitos o credenciam como o melhor técnico do mundo independente do esporte e referência em liderança, motivação e gestão de times vencedores. O êxito nas quadras fez do técnico um conferencista requisitado. Inspirado pela Pirâmide do Sucesso, criação do treinador John Wooden, mito do basquete universitário estadunidense e que usa a figura geométrica para ensinar o passo-a-passo do sucesso, Bernardinho desenvolveu a “Roda da Excelência”. Nela, dispõe valores como trabalho em equipe, liderança, motivação, perseverança e outros conceitos comuns a manuais de recursos humanos.